Teoria e praxis

igentig001p1Giovanni Gentile (na imagem) considera que ser é agir e que há uma identidade total entre a teoria e a praxis. Neste sentido, defende o que qualifica como atualismo, onde o agir é um pensar-agir, dado que é dever do homem pensar e só depois agir, de maneira que todas as regras, porque nasceram da autonomia do pensar, deixam de ser heterónomas ou exteriores.

Desta forma, a política é absorvida pela moralidade e pelo direito. Também o Estado não é algo que existe entre os homens, mas antes algo que brota do interior do próprio homem. O sócio deixa de ser o outro (alter) e passa a ser nosso, enquanto objeto no nosso sujeito. O sócio participa em nós, porque o conceito de sociedade é imanente ao conceito de sujeito.

Deste modo, se ultrapassa o confronto entre objetividade e subjetividade, pelo eu transcendental.