Sérvia

Servia88 361 km2 e 9 791 000 habitantes; os sérvios constituíam 36% da população da Jugoslávia. O levantamento sérvio contra a dominação otomana ocorreu a partir de 1804, com o apoio de austríacos e russos, e pelo Tratado de Bucareste de 1812, russos e austríacos obrigaram o sultão a conceder uma certa autonomia aos sérvios; em 4 de dezembro de 1815, com Miloch Obrenovitch, passa a constituir um principado autónomo, vassalo do sultão; em 1830, o sultão concede a Miloch o título de príncipe hereditário dos sérvios, mas só em 1867 é que as guarnições turcas se retiram de Belgrado; obtém a independência completa em 1878, no Congresso de Berlim; em 1888, o príncipe Milan Obrénovitch passa a ter o título de rei. No âmbito da federação jugoslava posterior a 1945, os sérvios foram repartidos por várias repúblicas: na Sérvia propriamente dita, 4, 8 milhões; 1, 1 na província autónoma da Voivodina (54% da população), 209 000 no Kosovo (13% da população), 530 000 na Croácia ocidental (11, 5%) e 1 300 000 na Bósnia (32%). Em Outubro de 1987, Slobodan Milosevic assumiu o controlo dos comunistas sérvios em oposição a Tito; em dezembro de 1990, os comunistas, rebatizados como socialistas ganham as primeiras eleições pluralistas na Sérvia e no Montenegro, ao contrário do que sucedeu nas restantes repúblicas jugoslavas; em maio de 1992 foi decretado um embargo comercial pela ONU, depois de a Sérvia apoiar a revolta dos sérvios da Croácia e da Bósnia; em dezembro de 1992, Milosevic foi reeleito presidente e o seu partir voltou a vencer esmagadoramente as eleições legislativas de dezembro de 1993. Em abril de 1992 foi constituída entre a Sérvia e o Montenegro uma República Federal da Jugoslávia, que não obteve reconhecimento internacional.