Revolta Estudantil

84156Em 6 de Abril de 1962 começa uma greve estudantil em Lisboa. Os incidentes desenrolam-se ao longo de todo o ano, insurgindo-se contra o ministro da educação Lopes de Almeida.

Logo em 9 de Março realiza-se em Coimbra o I Encontro Nacional de Estudantes, apesar de proibido, criando-se o Secretariado Nacional dos Estudantes Portugueses.

Dia do Estudante, marcado para 24 de Março, é proibido no dia 21 pelo ministro da educação. O processo estende-se a Coimbra. Com efeito, face à proibição as Academias de Lisboa e de Coimbra decretam luto académico.

As autoridades, tentando a conciliação, autorizam que o dia do estudante se comemore nos dias 7 e 8 de Abril, mas no dia 5 surge nova proibição da comemoração, levando à demissão do próprio reitor da Universidade de Lisboa, Marcello Caetano.

Era o mais importante movimento de subversão estudantil depois das greves de 1927 e de 1930. Seguem-se incidentes no 1º de Maio e greves no Ribatejo e no Alentejo. Em 10 e 11 de Maio a polícia assalta a sede da Associação Académica de Coimbra, seguindo-se novo luto académico, decretando-se a greve aos exames.

Por seu lado, em Lisboa, estudantes, acompanhados por alguns professores, decidem ocupar as instalações da cantina universitária, com nova intervenção policial. Há uma concentração insurreccional no Instituto Superior Técnico em 25 de Novembro, contra do decreto nº 44 632 de 15 de Outubro que condiciona a eleição das associações de estudantes.

Entre os líderes da revolta, destaca-se o estudante de direito, Jorge Sampaio, futuro presidente da República, bem como Medeiros Ferreira, secretário-geral da Reunião Inter-Associações e Eurico Figueiredo, líder do Secretariado Nacional dos Estudantes Portugueses. 47 professores de Lisboa apoiam formalmente os estudantes em carta ao Presidente da República. Marcello Caetano, então reitor da Universidade de Lisboa, demite-se.

Magalhães Godinho é então demitido de professor do ISCSPU pelo governo. Lopes de Almeida é substituído por Inocêncio Galvão Teles e Paulo Cunha sucede a Marcello Caetano.

Os líderes estudantis de então decidem pela criação de um Movimento de Acção Revolucionária, onde dominam socialistas e católicos progressistas.