Revolta dos Marechais

Comandada por Saldanha e Terceira, desencadeada em 12 de Julho pelo barão de Leiria, a partir da vila da Barca. Os chefes militares, Terceira e Saldanha, passavam a condottieri. Pouco antes, Leiria chegou a ser sondadao por D. Maria II para formar governo, para o que convidou Fronteira, Silva Sanches e Vieira de Castro. Por lei de 14 de Julho de 1837 são suspensas as garantias por 30 dias. Prorrogada a suspensão em 13 de Agosto e 13 de Setembro.

Em 7 de Outubro, face à convenção de Chaves, regressa-se à normalidade. Apenas continuam suspensas as garantias no Algarve. Derrota dos marechais. Primeiro, na ação de Chão da Feira, em 28 de Agosto de 1837, e depois, na ação de Ruivães, em 18 de Setembro. Os golpistas foram obrigados ao exílio. Na primeira ação perderam a vida o conde da Redinha e o barão de S. Cosme, enquanto D. Fernando, filho do conde de Vila Real, ficou sem uma perna e acabou por morrer.

Depois da convenção de Chaves, Saldanha, Palmela, Terceira, Silva Carvalho e Luís Mouzinho de Albuquerque passam para o exílio.