Movimento Federalista (1974)

prof-doutor-pacheco-amorimPresidido por Fernando Pacheco de Amorim (na fotografia), o movimento, surgido em 6 de maio de 1974, tenta mobilizar apoio dos que pretendem a continuação da união de Portugal ao Ultramar, invocando a aplicação das teses do livro do general Spínola, Portugal e o Futuro.

Entre os principais aderentes, José Miguel Júdice, Nuno Cardoso da Silva, Luís de Oliveira Dias, José Valle de Figueiredo e José da Costa Deitado.

Constitui com o Partido Liberal, em 30 de junho, uma Fundação para a Difusão de Conhecimentos Políticos, Sociais e Económicos.

Partido do Progresso

Depois do discurso do General Spínola de 27 de junho, reconhecendo o direito das colónias à independência, alterando o primitivo programa do MFA de 25 de abril de 1974, o grupo passa a designar-se Partido do Progresso, mudança anunciada em 19 de julho.

Trata-se de um grupo de direita, não afeta ao antigo regime que há-de ser dissolvido, na sequencia do movimento de 28 de setembro de 1974. Mas o nome por ele assumido, vai impedir que o CDS se assumisse como CDP – Centro Democracia e Progresso.

Começa a emitir o jornal Tribuna Popular, dirigido por Miguel Seabra, em 24 de julho.