Melo, Martinho Nobre de (1891-1985)

Martinho_Nobre_de_MeloProfessor de direito em Lisboa. Ministro da justiça de 7 de março a 15 de maio de 1918 e dos negócios estrangeiros de 6 a 9 de julho de 1926. Inspirador dos decretos de 11 e 30 de março de 1918, bases do sidonismo (decreto eleitoral e de modificação da Constituição de 1911 no sentido presidencialista). Impulsionador da Cruzada Nuno Álvares, criada em 18 de julho de 1918. Embaixador no Brasil, nomeado em abril de 1932. Diretor do Diário Popular de 1958 a 1974. Aquele que os seareiros viam como a potencial besta negra do fascismo lusitano, depois de assumir a atitude típica dos embaixadores políticas em fim de carreira, terminou os dias como uma espécie de dandy intelectual.