Lobo, António Sousa Silva Costa (1840-1913)

Professor de direito, político e historiador português. Foi ministro dos estrangeiros de Dias Ferreira em 1892.

Considera que a evolução histórica dos organismos sociais passa por três fases. A primeira é a fase da unidade amorfa, onde predomina a homogeneidade indistinta; a segunda é a da variedade das formas, onde é marcante a heterogeneidade; a terceira fase é a da harmonia, a verdadeira síntese orgânica, onde o indivíduo e o Estado atingem o equilíbrio num organismo superior.

Se na primeira fase, o indivíduo era estatizado e na segunda se emancipava por completo do Estado, na terceira, na fase da harmonia, já se reconstruía o império da razão e se criavam verdadeiros laços de solidariedade orgânica, através da ideia de associação. Contudo, o Estado não se identifica com a sociedade. É um simples órgão dentro do grande organismo social, o princípio unificador do sistema nervoso. O Estado conservando na sociedade a unidade exterior, enleando em solidariedade todos os seus membros, desempenha no corpo social as mesmas funções que no corpo físico o sistema nervoso.

Bibliografia

O Estado e a Liberdade de Associação. Dissertação Inaugural para o acto de conclusões magnas, Coimbra, 1864 

Descargo da minha responsabilidade de ministro, Lisboa, Imprensa Nacional, 1893

História da Sociedade em Portugal no Século XV, 1903

Origens do Sebastianismo, 1909