Ideologia

Destutt_de_TracyTermo inventado pelo sensualismo de Destutt de Tracy (na imagem), em 1796, em Project d’Élements d’Idéologie, querendo significar ciência das ideias, o estudo sistemático, crítico e terapêutico dos fundamentos das ideias. Sofre logo uma rápida evolução semântica: de ciência das ideias passa a aspiração reformista envolvendo um programa político.

Conforme a definição de Marcel Prélot, teses ligadas entre si e referidas a um princípio, dando origem a um plano intelectual de organização política, o qual constitui igualmente um todo ligado e coordenado. Para Jean Touchard, uma ideia política que tem peso social, uma pirâmide com vários andares; no vértice, a doutrina, aquilo a que os marxistas chamam praxis; em seguida, as vulgarizações; depois, os símbolos e as representações coletivas.

A ideologia depressa passou a uma criatura que ultrapassou os limites conceituais que lhe foram estabelecidos pelo criador. É um sistema de pensamentos, um conjunto de pensamentos estratificados, um conjunto autónomo sujeito a leis próprias de desenvolvimento. Por outro lado, passou a significar uma espécie de programa político reformista, ligado aos amanhãs que cantam. Em terceiro lugar, a ideologia é um sistema de ideias conexas com a ação (Carl J. Friedrich), exigindo uma estratégia para a atuação.

Para Adriano Moreira, as ideologias são factos com peso objetivamente verificável na vida social , “sistemas de ideias que já não são pensadas por ninguém” (Weidle), padrões de comportamento político, sistemas de ideias que presidem à luta política, orientando os agentes individuais e coletivos nessa competição pela captura, manutenção e exercício do Poder.

Têm três elementos: racionais (as ideologias são ideias sistematizadas, a presença residual das ideias dos pensadores, marcada por um lógica teleológica); emotivos (destinadas a obter a adesão emocional dos indivíduos, os juízos de valor que apelam para uma coerência valorativa, e que normalmente se comunicam pela apologética e pela propaganda); e míticos (através do mito -intuições e esperanças coletivas onde se acomodam ideias milenaristas, os sebastianismos, a sociedade futura do pão gratuito e da paz perpétua).

Para Anthony Downs, a ideologia como a verbal image of the good society, and the chief means of constructing such a society.

  • Allardt, Erik,, Littunen, Y., Cleavages, Ideologies and Party Systems, Helsínquia, Bookstore, 1964 [reed., Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1970].
  • Baradat, Leon P., Political Ideologies. Their Origins and Impact, 5ª ed., Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1994.
  • Blas Guerrero, André, Nacionalismos e Ideologias Políticas Contemporáneas, Madrid, Ediciones Espasa-Calpe, 1985.
  • Bluhm, William T., Ideologies and Attitudes. Modern Political Culture, Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1974.
  • Bobbio, Norberto, La Ideologia e il Potere in Crisi, Florença, 1981.
  • Bracher, Karl Dietrich, The Age of Ideologies. A History of Political Thought in the Twentieth Century, Nova York, Saint Martin’s Press, 1984.
  • Colleti, Lucio, Ideologia e Società, Bari, Edizioni Laterza, 1969.
  • Connolly, William. E., Political Science and Ideology, Nova York, Atherton Press, 1967.
  • Drucker, H. M., The Political Uses of Ideology, Basingstoke, Macmillan Press, 1974.
  • Goytisolo, Juan Vallet, Ideologia, Práxis e Mito da Tecnocracia, trad. port., Lisboa, Restauração, 1974.
  • Hagopian, M., Regimes, Movements and Ideology, Harlow, Longman, 1984.
  • Harris, Nigel, Beliefs in Society. The Problem of Ideology, Londres, C. A. Watts, 1968.
  • Heywood, Andrew, Political Ideologies. An Introduction, Basingstoke, Macmillan Press/Nova York, Saint Martin’s Press, 1992.
  • Ingersoll, David E., Matthews, Richard K., The Philosophic Roots of Modern Ideology. Liberalism, Communism, Fascism, 2ª ed., Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1991.
  • Lane, Robert E., Political Ideology. Why the American Common Man Believes What He Does, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1962.
  • Lichtein, Georges, The Concept of Ideology and Other Essays, Nova York, Random House Publishers, 1967.
  • McLellan, David, Ideology, Minneapolis, University of Minnesota Press, 1986 [trad. port. A Ideologia, Lisboa, Editorial Estampa, 1987].
  • Nelson, Brian R., Western Political Thought. From Socrates to the Age of Ideology, 2ª ed., Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1966.
  • Pastor, Manuel,, ed., Ideologias y Movimientos Políticos Contemporáneos, Madrid, Universidade Internacional Menendez Pelayo, 1981.
  • Plamenatz, John, Ideology, Londres, Pall Mall Press, 1970.
  • Real, Alberto Ramon, Las Ideologias Politico-Sociales. Su Pretendida Declinación, Montevideo, 1964.
  • Rejai, Mostafa, Political Ideologies. A Comparative Approach, Armonk, Sharpe Books, 1991.
  • Idem, ed., Decline of Ideology?, Chicago, Aldine de Gruyter, 1971.
  • Sargent, Lyman Tower, Contemporary Political Ideologies. A Comparative Analysis, 9ª ed., Belmont, Wadsworth, 1993.
  • Schumaker, Paul D., Kiel, Dwight, Heilke, Thomas, Great Ideas/Great Schemes. Political Ideologies in the Nineteenth and Twentieth Centuries, Nova York, MacGraw-Hill, 1996.
  • Seliger, M., Ideology and Politics, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1976.
  • Vincent, Andrew, Modern Political Ideologies, 2ª ed., Oxford, Basil Blackwell Publishers, 1995.
  • Zeitlin, Irving, Ideology and the Development of Sociological Theory, Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1968.

Ideologias, Fim das

Na década de cinquenta deste século, entre as angústias do pós-guerra e as dramas existenciais da guerra fria, emerge a tese do apaziguamento ideológico, do declínio ideológico ou do crepúsculo das ideologias. É quando Raymond Aron escreve L’Oppium des Intelectuels (1955), para, dez anos depois, dissertar sobre Fin des Idéologies. Renaissance des Idées. Segue-se Jean Meynaud que elabora a tese Le Déclin des Idéologies (1961).

Sobre a questão do declínio, crepúsculo ou fim das ideologias, Bell [1955 e 1960], Shils [1955 e 1968], Fernandez de la Mora [1965], Germino [1967], Waxman [1968], Di Palma [1973], Thomas [1975], e Shtromas [1994].

Ideologia Lógica Teleológica

Ideologia Alemã E(ngels, Friedrich; Marx, Karl)

Ideologia autoritária (Integralismo brasileiro)

Ideologia cartesiana

Ideologia – Conquista da consciência social

Ideologia das separaçöes – liberalismo (Reis Novais, 108, 744)

Ideologia do método

Ideologia e Direito (Maihofer, Werner)

Ideologia Económica (Dumont, Louis)