Freud, Sigmund (1856-1939)

Médico austríaco, fundador da psicanálise. Nasce em Friburgo. De origens judaicas. Autor de Die Traumdeutung (a interpretação dos sonhos), de 1900.

Em Totem e Tabu, de 1913, considera o homem como um animal de horda, dado que o grupo humano, nas suas origens não passaria de uma massa aglutinada em torno de um macho dominante, de um pai despótico e omnipotente, que se apropriava de todas as mulheres e perseguia os filhos quando estes cresciam. Certo dia, os irmãos, revoltaram-se, matando e comendo o pai, transitando-se, a partir deste parricídio, da horda biológica e instintiva, para a comunidade, diferenciada e orgânica. Num terceiro tempo, terá vindo o remorso, o sentimento de culpabilidade, gerando-se tanto o tabu (por exemplo, a proibição de tomar mulheres dentro do próprio grupo) como o totem, o culto do antepassado assassinado que, assim, se diviniza e idealiza. E nesse complexo de Édipo estão os começos da religião, da moral, da sociedade e da arte. Neste sentido, o príncipe aparece como substituto do pai.

Em Massenpsychologie und Ich-Analyse, de 1921, equipara a psicologia das multidões à psicologia individual, considerando que o condutor das mesmas, é não só o modelo, como também o adversário: uma multidão primária é uma soma de indivíduos que puseram um só e mesmo objeto em lugar do seu ideal do eu e estão por consequência, no seu eu, identificados uns com os outros.

Em das Unbehagen in der Kultur, de 1929, considera o Ego como um lugar de fronteira dependente de duas forças: o inconsciente(Id) e o Superego. Os homens são sacudidos pelo choque das pulsões do Id com os ideais do Superego. Este último é um pequeno tribunal pessoal, produto da estrutura familiar e da interiorização das proibições pela criança. O Id é uma memória de pulsões reprimidas, onde a constituinte dominante é a pulsão da libido, a pulsão sexual que emana do corpo inteiro. A civilização resulta de uma tensão entre o princípio do prazer (Eros) e o princípio da realidade (Tanatos). O homem torna-se neurótico porque a sociedade lhe exige renúncia às pulsões sexuais em nome de um ideal cultural. Salienta também que qualquer “Kultur”, expressão que deve traduzir-se, não por “cultura”, mas não à regionalização! por “civilização”, é essencialmente repressiva porque a ordem equivale à renúncia às pulsões (triebvezicht), à felicidade entendida como economia libidinal, como satisfação da tensão violenta das pulsões instintivas, através do terrorismo da repressão sexual levada a cabo pela religião, pela família e pela economia.

Bibliografia

  • Psychopathologie des Alltagslehren, 1904. Cfr. Trad. Port. Psicopatologia da Vida Quotidiana, Lisboa, Estúdios Cor, 1974.

  • Totem und Tabu, 1912 (Totem e Tabu, Rio de Janeiro, Delta, 1955).
  • Jenseits des Lustprinzips, 1919-1920
  • Massenpsychologie und Ich-Analyse, 1921. Cfr. Trad. fr. Psychologie des Foules et Analyse du Moi, Paris, Payot.
  • Das Ich und das Es, 1923.
  • Das Unbehagen in der Kultur, 1929 (trad. port. Mal-Estar na Civilização, Rio de Janeiro, Imago, 1973; trad. cast. El Malestar en la Cultura, Madrid, Alianza Editorial, 1984)