Ferreira, Vergílio (1916-1996)

GetResourceUm dos principais romancistas portugueses do século XX. Começando a respetiva formação no seminário, acaba por licenciar-se em Letras em Coimbra.

Professor de liceu, desde Évora ao Liceu Camões em Lisboa, é profundamente marcado pelo existencialismo, nomeadamente de Sartre, a quem prefacia a edição portuguesa de O Existencialismo é um Humanismo.

Começando pela esquerda à francesa do pós-guerra e pelo neo-realismo, distancia-se do marxismo e, depois de 1974, afirma-se socialista, assumindo um vigoroso anticomunismo, ao mesmo tempo que denuncia os protagonistas do neo-realismo português.

Entre 1980 e 1988 edita um diário político-cultural, que constitui um dos principais retratos íntimos do país no período revolucionário e na ressaca pós-revolucionária.

  • Introdução à trad. port. da obra de Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo.
  • Espaço do Invisível

Em quatro volumes, 1965, 1976, 1977 e 1987.

  • Conta Corrente

em 5 volumes, 1980, 1981, 1983, 1986 e 1988.