Facto social como constrangimento

durkhwimDurkheim (na imagem) considera que o facto social é constrangimento. Apesar de reconhecer que o poder não é apenas pura força material, mas também como força moral, religiosa, intelectual ou económica, não deixa, no entanto, de o reduzir sempre a um simples facto: “a ideia de força implica a ideia de poder que, por sua vez, não existe sem a ideia de ascendente, de mestria, de dominação e correlativamente de dependência, de subordinação; ora, as relações que todas estas ideias exprimem são eminentemente sociais.

É a sociedade que classificou os seres em superiores e inferiores, em senhores que comandam, em súbditos que obedecem; é ela que conferiu aos primeiros esta propriedade singular que torna o comando eficaz e que constitui o poder”. Isto é, tanto o poder governamental, como o espiritual ou o do pai de família constituem simples intermediários da dimensão repressiva inerente à sociedade.