Eletricidade

Segundo Lenine, o comunismo consistira numa soma do marxismo com a eletricidade. Com efeito, o comunismo da eletricidade de Lenine e o subsequente comunismo do trator de Estaline são filhos diletos daqueles tempos modernos, iluminados pelas Luzes de uma Razão que, no século XIX, produziu o cientismo e, no começo do século XX, o futurismo do admirável mundo novo. Na URSS, com efeito, de 1928 a 1940, a produção de eletricidade passa de 5 biliões para 48 biliões de quilovates por hora, ao mesmo tempo que a do aço cresce 4.3 biliões para 18.3 biliões de toneladas; também a dos veículos automóveis sobe de 8000 para 145 000, de tal maneira que a indústria passa a significar 84,7% da economia soviética.