Dono

Originariamente o chefe da casa. Como dizia Plínio, inventámos o príncipe, o chefe político, para deixarmos de ter um dono, para deixarmos de obedecer a outro homem e passarmos a obedecer a uma abstração, através da institucionalização do poder.