Conquista do poder

Para muitos, a política traduz-se numa luta pela conquista do poder supremo, pela aquisição, manutenção e exercício do poder do governo, onde, na democracia, há uma tentativa de captura do poder se sufrágio, através de partidos, entendidos como grupos que lutam por esse poder. Contudo, sempre se considera que, na essência, o poder é o poder de decisão em momento excecional, onde há uma espécie de primado do executivo, dentro deste, pela liderança pessoal do líder desse executivo, marcado por uma espécie de solidão. Foi esta perspetiva concentracionária do poder que marcou o modelo de António de Oliveira Salazar, o mesmo que declarou que a essência do poder é procurar manter-se.

Conquista e manutenção do poder

O governo da vontade geral e a perspetiva da democracia como tensão entre uma maioria e uma minoria, onde há diálogo e, consequentemente, lugares comuns entre adversários. A perspetiva da política como relação entre o amigo e o inimigo. — O estado normal e o estado febril de uma comunidade política. Situacionismo e oposição. A oposição parlamentar e a oposição extraparlamentar. Reviralhismo, insurreição e subversão. — A luta pelo poder no Estado de Direito Democrático (eleições, processo de influência sobre as decisões, controlo pela implementação administrativa das leis). — Técnicas de persuasão política. Manipulação política e propaganda política. A comunicação de massa. O demagogo. A rebelião das massas, a violação das massas pela propaganda e a multidão solitária. — A teoria do Estado Espetáculo. A passagem das ideias e abstrações às personagens. O star system. Os políticos como atores. A política mediática. A crise do sujeito sem discurso e o expressionismo social. — Violência e poder. Formas violentas de modificação política (guerrilha, revolução, golpe de Estado, rebelião, insurreição). — O terrorismo. Do Catecismo Revolucionário de Bakunine e Netchaev à teoria da guerrilha e da luta armada dos anos sessenta. Situação atual. — O golpe de Estado (coup d’État). O golpe de Estado constitucional. O golpe militar (pronunciamento). A tese clássica de Gabriel Naudé (1639). A tese de Curzio Malaparte, Tecnica del Copo di Stato, 1931. A teoria insurrecional do blanquismo. O mito da greve geral segundo Georges Sorel. A teoria e a prática leninistas da insurreição. Subversão a partir da sociedade civil. A insurreição a partir do aparelho de Estado. — Tiranicídio e assassinato político. — A desobediência civil e a resistência passiva (o modelo de Gandhi). — As revoluções. O modelo da revolução francesa. A teoria marxista- -leninista de revolução. O modelo das revoluções ao contrário. A revolução nacional.