Collaço, João Maria Telo de Magalhães (1893-1931)

Professor de direito em Coimbra. Renovador do ensino do direito administrativo. Acusado de monárquico, chega a ser demitido em 1919, juntamente com Salazar, Fezas Vital e Carneiro Pacheco.

Analisando a revolução de 1820, considera que “a liberdade não desabrochava contra o regimen, nem contra o rei (…) ella ia apenas iluminar o quadro das nossas instituições antigas, e consumir a lembrança dos opressivos governadores do reino”. Ela não era uma revolução contra o rei, era “uma restituição aos vassalos, uma restauração apenas”.

Ensaio sobre a inconstitucionalidade das leis no direito português, Coimbra, França & Arménio Editores, 1915