Barreto, António Xavier Correia (1853-1939)

António_Xavier_Correia_BarretoOficial do exército, inventor da pólvora sem fumo. Ministro Ministro da guerra do  Governo Provisório da I República, mantém íntimas ligações com o grupo dos jovens turcos, liderado por Álvaro de Castro. O respetivo chefe de gabinete é o capitão Alfredo Sá Cardoso; o ajudante de campo do ministro, o tenente Helder Ribeiro; o chefe de estado maior da 1ª divisão, o capitão João Pereira Bastos, apoiados por outros tenentes como Álvaro de Castro, Álvaro Poppe, Américo Olavo e Vitorino Guimarães, quase todos membros da loja Portugal criada em 1908 e transformada, depois de 1910, na Jovem Turquia, sob a liderança de Álvaro de Castro). O grupo tinha desistido de apoiar os revolucionários da Rotunda, depois de conversas com Ribeira Brava, o que fez Machado Santos irar-se. Autor do decreto sobre a reorganização do exército de 25 de maio de 1911. Quer identificar o exército com a nação armada de maneira a que deixe de ser uma casta à parte. Tenta-se o modelo suíço, com serviço universal e obrigatório de 15 a 30 semanas e treinos anuais de duas semanas durante dez anos. Visa-se que este seja uma continuação da instrução primária. O diploma não se aplica. Ministro da guerra em três governos da I República: no governo provisório de 5 de outubro de 1910 a 4 de setembro de 1911. No de Duarte Leite, de 16 de junho de 1912 a 9 de janeiro de 1913. No de António Maria da Silva, de 7 de fevereiro a 30 de novembro de 1922. Presidente do Senado.