Arsenalistas (1838)

pes_191261Radicais setembristas que têm como base o Arsenal da Marinha. Ricardo França, diretor do estabelecimento, criou o Batalhão dos Artífices do Arsenal, onde vão destacar-se Francisco Soares Caldeira (na fotografia), António Bernardo da Costa Cabral, Leonel Tavares e José Estevão.

Serão a base das revoltas radicais de 1838. Os batalhões de voluntários foram criados logo em 26 de Outubro de 1836. Em 4 de Março de 1838 deu-se a revolta radical do Arsenal comandada pelo então administrador-geral de Lisboa, Soares Caldeira, também diretor da Guarda Nacional. Nesta sequência, Sá da Bandeira demitiu Caldeira, substituindo-o por António Bernardo da Costa Cabral.

Na manhã do dia 9, o batalhão do Arsenal apareceu de armas na mão e voltou a exigir um governo puro. Sá da Bandeira demitiu então o capitão-tenente França e dissolveu o batalhão dos operários navais. Os condenados chamaram-lhe então traidor e deram-se vivas à oposição no próprio parlamento.

No dia 9 o batalhão do Arsenal e parte da Guarda Nacional exige um governo puro. Dissolvido nesse dia o batalhão do Arsenal, os chamados maltrapilhos da Ribeira. Por decreto de 9 de Março, Sá da Bandeira demite Ricardo José Rodrigues França de inspetor do arsenal da marinha e de comandante do batalhão de artífices do mesmo arsenal.

Ataques da oposição parlamentar. Caem Silva Sanches, Bonfim e Campos e Almeida. Em 9 de Março era exonerado Rodrigues França, o inspetor do Arsenal, sendo dissolvidos os batalhões arsenalistas. Reação militar de cerca de três mil revoltosos. José Estevão conseguem solução de compromisso entre os arsenalistas e o governo.

Em 13 de Março, nova revolta da Guarda Nacional, exigindo a reintegração de França. Os sediciosos são, entretanto, dominados no Rossio, nessa tristíssima batalha cívica… onde correu sangue português, e sangue que uma “imprudente” Rainha portuguesa foi no dia seguinte calcar, no seu passeio, com os pés dos cavalos ingleses, como testemunha amargamente José Liberato Freire de Carvalho. Tropas governamentais ocupam o Arsenal.

Recontros sangrentos (o chamado massacre do Rossio, cerca de uma centena de mortes). A ilusão revolucionária de Setembro, terminava com uma repressão sangrenta. Muitos salpicos de sangue e enxovalhos de perfídia, segundo as palavras de José Estevão. Nesta sequência o visconde de Reguengo passa a conde de Avilez. Também são feitos condes o barão de Bonfim e o visconde de Antas.