1863 – 1872



1863

Dia 4 de março - Medidas para se disciplinar a cultura do arroz. Impulso à cultura da amoreira. Distribuídos seis reprodutores da Casa Real pelos postos de cobrição.

Abril

Assinala-se que Portugal exporta gado bovino para Marrocos. Exportam-se barris de vinho verde para o Brasil.

Dia 19 de maio - Abolição definitiva dos morgados, à excepção da Casa de Bragança, em 19 de Maio de 1863.

Junho

- Grandes chuvadas. Calcula-se a perda de um terço das culturas.

Dia 22

- Lei sobre as sociedades anóminas. Nenhuma sociedade anónima que pretenda dedicar-se a operações de crédito agrícola ou comercial pode estabelecer-se sem prévia autorização do governo.

- José Rodrigues Coelho do Amaral nomeado governador de Macau. Até 1866.

Julho

Dia 1 - Reforma da legislação hipotecária de 1836. Se é extinto o morgadio, eis que se cria o monopólio do crédito predial.

Dia 13

- Reorganização do crédito hipotecário em 13 Julho de 1863. Reforma do sistema de crédito agrícola.

- Autorizado o 5º banco português, o Banco Aliança

Dia 23

- Determina-se que em Janeiro se proceda ao recenseamento geral da população.

- Generalizam-se as máquinas de ceifar no Ribatejo. Morais Soares defende o desenvolvimento da lavoura a vapor. Na Quinta exemplar de agricultura em Sintra fabricam-se tubos de drenagem de campos, segundo tecnologia belga.

Dia 28 de setembro – Nasce D. Carlos.

Outubro

- Morais Soares no Archivo Rural considera que a agricultura em Portugal precisa de dois melhoramentos: regime das águas e arborização de terrenos impróprios para outras produções.

Dia 16 - Realiza-se a exposição agrícola e industrial de Braga, organizada pelo governador civil Januário Correia de Almeida. Abertura no dia 16 de outubro.

Dia 24 de novembro – Conde de Peniche é eleito grão-mestre do Grande Oriente de Portugal, dissidência anti-cabralista do Grande Oriente Lusitano. Antes, tinham sido grão-mestres, o visconde da Oliveira e Moura Coutinho, desde Março de 1854 (reeleito em 1859 até 1861). Desde então, chefia interina de Frederico Leão Cabreira.

Dezembro

Dia 12 - Regulamento da Contabilidade Pública

Dia 21 –  Surge um decreto sobre a organização do exército referendado por Braamcamp e Sá da Bandeira. O diploma gera protestos e vai levar à queda dos dois ministros em 14 e 16 de janeiro. Loulé assume a pasta do reino e Ferreira Passos passa a ministro da guerra, enquanto João Crisóstomos acede ao ministério das obras públicas.

Ainda em 1863…

- Camilo Castelo Branco publica O Bem e o Mal e passa a residir em S. Miguel de Seide.
- João de Deus é convidado a escrever um folhetim educativo para o Archivo Rural.
- O veterinário Santos Viegas publica Contabilidade Rural a partir do Archivo Rural. Na mesma revista Bernardino Barros Gomes publica Estudos Florestais.
- Exposição industrial e têxtil no teatro D. Maria II
- Caminho de ferro chega a Évora. Linha do Leste faz ligação à fronteira espanhola.
- Filoxera em França
- Renan publica La Vie de Jésus
- Surge a Federação Maçónica Portuguesa de Elias Garcia, uma dissidência da CMP.

1864

Janeiro

- Realiza-se o primeiro recenseamento sistemático da população em Portugal. 3 829 618 habitantes

Dia 16

- Remodelação governamental: em 16 de janeiro de 1864, Loulé volta ao reino, substituindo Anselmo José Braamcamp (até 5 de março de 1865); José Gerardo Ferreira Passos substitui Sá da Bandeira na guerra (até 5 de março de 1865);. João Crisóstomo de Abreu e Sousa substitui Loulé nas obras públicas (de 16 de janeiro de 1864 a 17 de abril de 1865).

- Governo consegue um grande empréstimo de 5 milhões de libras.

Fevereiro

- Polémica na Confederação Maçónica Portuguesa: Inocêncio Francisco da Silva ataca a liderança de Lobo de Ávila, defendendo o regresso de Loulé ao cargo de grão-mestre.

Março

- Lobo de Ávila derrotado na Confederação Maçónica Portuguesa. Loulé é eleito grão-mestre da Confederação Maçónica Portuguesa, em disputa com Lobo de Ávila. Mas o presidente do conselho não aceita o lugar. O cargo será ocupado interinamente por Joaquim de Abreu Viana até janeiro de 1866.

Dia 11 - Proposta de lei do governo abolindo o monopólio dos tabacos. Prevê-se a proibição da cultura no Continente.

Abril

- Entre abril e maio, revolta estudantil em Coimbra. Fica conhecida pela rolinada. Os estudantes solicitaram o perdão de acto, negada por uma portaria duríssima do governo. Manifestação de estudantes no Largo da Feira é duramente reprimida. Tropas ocupam Coimbra. Num acto de protesto, cerca de meio milhar de estudantes desloca-se para o Porto, declarando não quererem regressar a Coimbra. Encerrada a universidade. Forças militares continuam em Coimbra. São demitidos o governador civil de Coimbra e o reitor da Universidade, Vicente Ferrer de Neto Paiva.

Maio

- Lobo de Ávila constitui a Confederação Maçónica Progressista de Portugal, uma cisão dentro da Confederação Maçónica Portuguesa. Acampanha-o, por breves tempos, Mendes Leal.

Dia 12 - Aprovado o novo regime dos tabacos. Liberdade de fabrico do tabaco em Lisboa, Porto, Açores e Madeira. Proibida a cultura do tabaco no continente. Aprovado no dia 12 e promulgado no dia seguinte.

Dia 16 - Autorizada a criação do Banco Nacional Ultramarino

Junho

Dia 18 - Criada a Companhia da Fábrica de Tabaco de Xabregas, dominada por Francisco Isidoro Viana.

Dia 25 - A gestão dos celeiros comuns é atribuída à s câmaras municipais

Agosto

Dia 12 - Permitida a criação de depósitos de cereais exóticos em Lisboa e no Porto.

Dia 22 - Criada uma comissão para a reforma da parte agrícola do MOPCI, com especial incidência no ensino agrícola. Fazem parte da mesma J. Andrade Corvo, S. B. Lima e Ferreira Lapa.

Setembro

- Grande exposição agrícola nacional promovida pela RACAP

Dia 11

- Nas eleições de 11 de Setembro de 1864, nova vitória governamental. 32 deputados da oposição regeneradora.
- Adjudicada ao marquês de Salamanca a abertura da linha do Douro para Salamanca e Medina del Campo.

Outubro

Dia 3 - Criado um corpo de engenharia civil.

Dia 25 - Aprovados os estatutos do Companhia Geral de Crédito Predial Português. Tem o privilégio de emitir obrigações prediais durante 25 anos.

Dezembro

Dia 12 -  João Crisóstomo de Abreu e Sousa substitui Mendes Leal na marinha, continuando nas obras públicas. Mendes Leal pediu a demissão em plena Câmara dos Deputados; logo se seguiria a de Ferreira Passos, a quem estava intimamente ligado.

Dia 20 - Reforma do ensino industrial

Dia 28 - Instituído o Conselho Geral de Estatística

Dia 29 - Organização do Instituto Geral de Agricultura

Ainda em 1864…

- Abertura do caminho de ferro até Vilar Formoso. Linha do Norte chega a Gaia. A do Sul atinge Beja.
- No Archivo Rural publicam-se: de Silvestre Bernardo Lima, Apontamentos para um Compêndio Elementar de Zootecnia Geral e de Francisco da Veiga Beirão, Estudos sobre o Crédito Rural.
- Fundada a Cruz Vermelha Internacional por Henri Dunant.
- Operários em França passam a ter direito à greve e à liberdade de associação.
- Marx e Engels fundam a I Internacional.
- Surge a Sylabus de Pio IX.
- Rodrigues de Freitas publica Breves Reflexões sobre a Questão Bancária

1865

Dia 5 de março

- Remodelação governamental: Loulé na marinha, em lugar de João Crisóstomo. O 3º marquês de Sabugosa, António Maria da Silva César e Meneses, no reino, em lugar de Loulé. Sá da Bandeira na guerra, em lugar de Ferreira Passos. D. António Aires Gouveia nos negócios eclesiásticos e justiça em lugar de Gaspar Pereira da Silva. Matias de Carvalho e Vasconcelos na fazenda, em lugar de Lobo de Ávila.

- Loulé pediu a demissão e Sá da Bandeira chegou a ser encarregado de formar novo governo, mas logo desistiu. Depois de breve remodelação, o governo resistiria apenas até 17 de abril de 1865.

Abril

- Rendição dos sulistas nos USA, liberatação dos escravos e assassinato de Lincoln

Dia 7

- As cortes são adiadas por 17 dias até 24 de abril de 1865

- Criado um serviço de inspecção para os arrozais autorizados

Dia 11 - Defesa da produção interna de trigo

Dia 17 - Governo de Sá da Bandeira. Demitido o governador civil do Porto, Januário Correia de Almeida, o visconde de São Januário. Será imediatamente eleito deputado, como protesto

Dia 15 de maio

- Dissolução da Câmara dos Deputados

- Criação de concursos anuais de bovinos.

- Governo reduz o preço dos cereais, mas não baixa o preço do pão. No dia 15 é nomeada uma comissão para o estudo da panificação e do preço do pão, com Rodrigo Morais Soares, Ferreira Lapa e J. Andrade Corvo.

Junho

Dia 11 - Tratado de comércio com a França.

Dia 28 - Decreta-se a realização de um concurso de gado cavalar no Ribatejo.

Julho

Dia 4 - Saldanha regressa a Lisboa, vindo da embaixada em Roma

Dia 9 - Eleições

Dia 30 - Reabertura do parlamento.

Setembro

-  Pio IX condena as sociedades secretas.

Dia 4

- Governo da fusão. Governo de Joaquim António de Aguiar. Fala-se num partido dos melhoramentos materiais. Aguiar assume a presidência e o reino. Conde de Castro nos estrangeiros e obras públicas. Conde de Torres Novas na guerra. Visconde da Praia Grande na marinha. Fontes na fazenda e Barjona na justiça.

- O governo foi precedido por um acordo prévio entre Loulé e Aguiar. Em 5 de setembro já recebia formal apoio do deputado José Dias Ferreira que falou em conciliação e tolerância política

Dia 7

- As cortes são adiadas por 59 dias até 5 de novembro de 1865.

- Morte do conde de Torres Novas

Dia 26 – Isidoro Francisco Guimarães, visconde da Praia Grande de Macau, na pasta da guerra, por morte do conde de Torres Novas (será interino até 11 de novembro de 1865 e efectivo até 22 de novembro de 1865).

Dia 22 de novembro -  Salvador de Oliveira Pinto da França na guerra (até 20 de abril de 1866, data da sua morte)

Dezembro

Dia 7 - Livre exportação de vinhos pelo Douro

Dia 23 - Imposto sobre produtos vinícos entrados no Porto.

Ainda em 1865…

Antero de Quental publica Odes Modernas.
Pinheiro Chagas publica Poema da Mocidade, com prefácio de António Feliciano de Castilho, dando início à chamada Questão Coimbrã.
Alexandre Herculano publica Estudos sobre o Casamento Civil.

1866

Janeiro

- Mendes Leal é eleito grão-mestre da Confederação Maçónica Portuguesa. Estava em conflito com Lobo de Ávila.

Dia 23 de abril – Isidoro Francisco Guimarães, visconde da Praia Grande de Macau, ministro da marinha, passa a acumular a pasta da guerra, por morte de Pinto da França (até 9 de maio de 1866)

Dia 9 de maio – Martens Ferrão substitui Aguiar no reino José Maria Casal Ribeiro substitui José Joaquim Gomes de Castro, o conde de Castro, nos estrangeiros e obras públicas; Fontes Pereira de Melo passa a acumular a guerra

Junho

Dia 6 – Andrade Corvo nas obras públicas (até 4 de janeiro de 1868). Casal Ribeiro mantém-se nos estrangeiros.

Dia 16 – Encerra a sessão legislativa

Dezembro

Dia 14 – Andrade Corvo substitui Casal Ribeiro nos estrangeiros (até 19 de agosto de 1867).

1867

Dia 29 de janeiro

- Proposta de reforma administrativa apresentada na Câmara dos Deputados. Previsto o desaparecimento do distrito de Santarém e de vários concelhos, entre os quais o de Cascais.

- Representação portuguesa na Exposição Internacional de Paris

Dia 28 de fevereiro – Apresentada a proposta do governo (Barjona de Freitas) sobre a reforma prisional e penal, que inclui a abolição da pena de morte

Dia 26 de junho –  Aprovada a proposta de reforma penal e o projecto de Código Civil, Diplomas publicados no dia 1 de julho.

Dia 1 de julho - Abolição da pena de morte e publicação da reforma penal e do Código Civil.

Dia 19 de agosto - Casal Ribeiro retoma a pasta dos estrangeiros.

Dezembro

Dia 7 - Regulamento sobre o imposto de consumo

Dia 31 - Revolta da Janeirinha contra o imposto de consumo (1 de janeiro de 1868).

1868

Janeiro

Dia 4 - Governo da direita reformista que sobe ao poder para dar satisfação ao movimento da Janeirinha. Revoga-se o imposto de consumo (14 de janeiro) e suprimem-se os decretos que reestruturavam os ministérios da fazenda e dos estrangeiros. Defende-se uma políticia de economias e moralidade, conforme o discurso do deputado Rodrigues de Carvalho, em 12 de julho de 1869. Isto é, rigorosa parcimónia nas despesas do Estado, e útil e proveitosa aplicação do dinheiro do povo. Como observa Joaquim de Carvalho, procurava alterar-se a anterior política da Regeneração, do semear para colher, isto é, do uso e abuso do recurso ao crédito e ao aumento dos impostos.

Dia 14 - Revogação do imposto de consumo. No dia em que foi revogado o decreto sobre o imposto de consumo, dava-se a dissolução da Câmara dos Deputados.

Dia 13 de fevereiro - Revogada a reforma do ministério da fazenda levada a cabo pelo gabinete anterior.

Dia 22 de março - Eleições. Lobo d’Ávila afasta-se do conde de Peniche. Surge o grupo republicano do Pátio do Salema.

Abril

Dia 15 - Abertura das Cortes. Discurso da Coroa.

Dia 25 - Criada uma comissão para o estudo da estatística agrícola e da economia rural, presidida por Rebelo da Silva

Dia 15 de maio - Aprovado o bill de indemnidade (98 deputados a favor, 8 contra).

Julho

- O governo de Ávila vai cair a pretexto da comissão de obras públicas da fazenda não ter dado parecer favorável a um projecto de convenção com uma das companhias de caminho de ferro. Conselho de Estado não dá parecer favorável à dissolução parlamentar

Dia 22 - Governo de Sá da Bandeira: o primeiro governo reformista propriamente dito. A designação nasceu da própria experiência ministerial, da vontade do governo fazer reformas para realizar economias, conforme as palavras então usadas. Profundas alterações administrativas, nomeadamente na saúde e obras públicas. Em 23 de fevereiro de 1869 dá-se a abolição completa da escravatura em todos os territórios sob administração portuguesa. Mantêm-se no entanto alguns escravos até 1878.

Dia 29 - Convocação extraordinária do parlamento

Dia 28 de agosto - Encerra a sessão legislativa

Outubro

Dia 17 - Extinção do Conselho Geral da Instrução Pública

Dia 30 - Extinção da repartição de pesos e medidas

Dia 5 de novembro - Reforma do Tribunal de Contas

Dezembro

Dia 3 - Reforma dos serviços de saúde. Criada a Junta Consultiva da Saúde Pública

Dia 17 - Sá da Bandeira substitui Carlos Bento da Silva nos estrangeiros. Calheiros e Meneses na fazenda até 27 de zezembro. Carlos Bento da Silva não conseguiu um empréstimo em Paris, onde se deslocou de 18 de novembro a 9 de dezembro. Apresentou a demissão logo em 9 de dezembro.

Dia 27 - Conde de Samodães torna-se novo ministro na fazenda.

Dia 31 - Reforma do MOPCI

1869

Janeiro

Dia 2 - No discurso da Coroa considera-se expressamente que é grave o estado da fazenda pública. O próprio rei vai renunciar a 10% da sua lista civil.

Dia 22 – Dissolvida a Câmara dos Deputados.

Dia 25 - Saldanha era nomeado embaixador em Paris.

Dia 23 de fevereiro - Abolição da escravatura

Dia 18 de março - Redução do número de deputados e de círculos eleitorais

Abril

Dia 11 - Eleições

Dia 15 - Redução do número de funcionários da Câmara dos Deputados e da Câmara dos Pares.

Dia 22 - Reforma do ministério dos negócios estrangeiros.

Dia 2 de Junho –  Aprovado um bill de indemnidade.

Dia 9 de Julho – Autorizada a realização de um grande empréstimo internacional junto da casa Fruhling & Gosch.

Agosto

- Iberismo: depois do afastamento de Isabel II em Espanha, volta a falar-se no perigo da União Ibérica. Chega a ser aprovada ma Câmara dos Pares uma moção de protesto apresentada pelo marquês de Sabugosa contra a propaganda republicana federalista, que se pretende fazer no país.

Dia 2 de Agosto- António Pequito Seixas de Andrade é substituído da justiça por João José de Mendonça Cortês.

Dia 9 - Rebelo da Silva apresentava uma moção de desconfiança ao governo que foi aprovada por 25-13.

Dia 11

- Foi convidado para formar governo Anselmo José Braamcamp, então líder parlamentar dos históricos. Declinou tal tarefa, dizendo ao rei que a mesma devia ser levada a cabo pelo chefe formal do respectivo partido, o duque de Loulé. Este fica na presidência e no reino. A figura mais destacada do gabinete é Joaquim Tomás Lobo de Ávila, nas obras públicas e na guerra, interinamente. Braamcamp assume a fazenda. José Luciano de Castro no reino. Mendes Leal nos estrangeiros. Rebelo da Silva na marinha.

- O governo concilia a chamada unha branca dos históricos, de Loulé e José Luciano, com a unha negra, de Lobo de Ávila. Segundo as oposições, tratava-se de um governo para queimar.

Dia 12

- Na Câmara dos Deputados, 58 deputados apoiam o novo gabinete, contra 25. Estávamos a cerca de quinze dias do encerramento da sessão legislativa.

- Braamcamp apresenta o programa financeiro do gabinete. Na continuidade do modelo instaurado pelo anterior ministro da fazenda, Samodães, lança a reforma da contribuição predial (novo modelo de quotidiedade em vez do anterior, o da repartição), onde espera obter um aumento de 700 contos nas receitas. Introduz pela primeira vez a contribuição pessoal, primeiro passo para o imposto sobre o rendimento (espera obter 1 000 contos). Reforma a contribuição industrial (espera obter 400 contos a mais). Cria um imposto especial sobre o consumo do arroz. Prevê também a criação de uma Caixa Geral de Depósitos.

Dia 28 - Com o encerramento da sessão legislativa, o governo ficou autorizado a decretar modificações na administração pública e no Quadro dos oficiais do exército.

Dia 6 de setembro - Luís da Silva Maldonado de Eça na pasta da guerra sucede à interinidade de Lobo de Ávila (até 18 de Novembro de 1869)

Outubro

- Saldanha regressa a Lisboa

- Fusão das várias maçonarias no Grande Oriente Lusitano Unido. União do Grande Oriente Lusitano, então chefiado pelo conde de Parati, da Federação Maçónica Portuguesa, do Grande Oriente de Portugal, da Confederação Maç ónica Portuguesa e de parte do Supremo Conselho de Grau 33.

Dia 18 de Novembro – Lobo de Ávila regressa à pasta da guerra, a título interino, mantendo as obras públicas.

Dezembro

Dia 1 - Saldanha é pateado no Teatro de D. Maria II. No dia 5, vários oficiais vão apresentar cumprimentos ao marechal, em atitude de desagravo, mas que teve os efeitos simbólicos de um movimento das espadas. Alguns desses oficiais, de caçadores 5 e de infantaria 10 são imediatamente transferidos. O Barão do Rio Zâzere, recusa ser transferindo, alegando doença e o governo manda prendê-lo. Saldanha vai ao Paço pedir a substituição do governo. O ministros dos estrangeiros, Mendes Leal, convida-o a retomar o lugar de embaixador em Paris, mas Saldanha responde com carta provocatória. Repudia a acusação de iberismo e defende a mudança do governo, considerando que esta não leva a nenhuma alteração da ordem pública.

Dia 2 - Restaurada a direcção-geral da instrução pública

Dia 30 - Decreto sobre o arrolamento predial gera revoltas populares em Amarante, Ovar, Castro Daire e Elvas.

1870

Janeiro

- Juntam-se à oposição Sá da Bandeira e Saldanha. O grupo de Sá da Bandeira insurge-se contra a circunstância do governo dissolver a Câmara dos Deputados, sem qualquer prévia votação parlamentar contrária ao governo. O grupo de Saldanha, que regressou da embaixada em Paris em outubro de 1869, revolta-se contra o facto do governo ter transferido vários oficiais afectos ao velho marechal.

Dia 3 - Reabre o parlamento em sessão preparatória. Históricos conseguem eleger Diogo António Palmeiro Pinto para presidente da Câmara de Deputados. Mas, na resposta ao discurso da Coroa, há forte oposição, constantando o governo a precariedade da maioria.

Dia 20 – Decretada dissolução da Câmara dos Deputados. Convocado novo parlamento para 31 de março. Era a Quarta vez que em quatro anos se faziam eleições.

Março

Dia 13 - Eleições. Incidentes sangrentos no Funchal. A maioria governamental dos históricos consegue 89 deputados. Destes, 14 são regeneradores. Isto é, mantem-se o espírito da fusão. A oposição consegue apenas 15 deputados, incluindo reformistas, liderados pelo bispo de Viseu, e penicheiros.

Dia 31 - Reabre a Câmara dos Deputados.

Abril

Dia 20 - Decreto altera o modelo do arrolamento predial estabelecido em 30 de dezembro de 1869, tentando atenuar as revoltas populares, entretanto verificadas.

Dia 27 - Discurso da Coroa: referidas as propostas financeiras de Braamcamp, a questão aos arrolamentos prediais. Prometida a reforma da Câmara dos Pares e uma proposta de lei sobre a responsabilidade ministerial.

Dia 29 - Inaugurada a estátua de D. Pedro IV no Rossio

Maio

Dia 3 - Câmara dos Deputados discute os incidentes eleitorais ocorridos na Madeira.

Dia 11 – A revolta das ideias manifesta-se, pelo começo da publicação de A República, jornal redigido por Antero de Quental e Oliveira Martins. Este tem, então, 25 anos de idade.

Dia 12 – Deputados reformistas e penicheiros abandonam a Câmara dos Deputados. Acusam o presidente da Câmara dos Deputados de lhes coartar a liberdade de expressão

Dia 14 - O ministro José Luciano apresenta várias propostas de lei. Entre elas a reforma dos códigos penal e processual criminal.

Dia 18 - Anuncia-se que os deputados oposicionistas renunciam aos lugares. Entre os deputados que renunciam: António Augusto Pereira de Miranda; António Augusto da Costa Simões; António dos Santos Viegas; Francisco de Almeida Cardoso de Albuquerque Francisco Coelho do Amaral; Francisco Pinto Bessa; Francisco Júlio Caldas Aulete Joaquim Nogueira Soares Vieira; José Bandeira Coelho de Melo; José Oliveira Baptista; Luís de Almeida Coelho de Campos; Mariano Cirilo de Carvalho. Crescem boatos sobre a alteração da ordem pública

Dia 19 - Saldanhada. Na noite de 18 para 19 de maio, regimentos militares subvertidos por oficiais que invocam o setembrismo cercam o Palácio da Ajuda e pressionam D. Luís I no sentido da demissão do governo. Saldanha coloca-se à frente dos regimentos rebeldes (caçadores 5, artilharia 3 e infantaria 7), enquanto populares assaltam o castelo de S. Jorge. Tiroteio entre os rebeldes e a guarda do palácio. Saldanha é imediatamente recebido por D. Luís. Na tarde do dia 19, um suplemento ao Diário do Governo, nomeava Saldanha ministro da guerra, mas Loulé recusa referendar o acto. Então, Saldanha é nomeado presidente e ministro de todas as pastas.

Dia 20 - Sessão agitada no parlamento. Na Câmara dos Pares, Sousa Pinto Bastos fala no prelúdio de uma guerra civil e teme pela autonomia da pátria, numa altura em que se falava no iberismo de Saldanha. Na Câmara dos Deputados, Pereira Dias protesta contra a violação da Carta Constitucional e a ditadura militar e o iberismo.

Dia 21 – Reúne a Câmara dos Deputados com a presença de apenas 48 deputados. Proposta de Barros e Cunha para o adiamento das Cortes. Nesse dia, com parecer do Conselho de Estado, decreto de Saldanha adia as Cortes por 30 dias, até 20 de junho de 1970.

Dia 23 - Última sessão da legislatura. Pereira Dias diz que o ministério de Saldanha o é por direito de conquista. Fala-se apaixonadamente na questão do iberismo de Saldanha.

Dia 26 - Governo de Saldanha de 26 de maio a 29 de agosto de 1870. Apoio de todas as forças oposicionistas ao anterior governo histórico: os reformistas afectos ao bispo de Viseu; os dinamizadores da Janeirinha liderados por Dias Ferreira; os amigos de Peniche os regeneradores afectos a Rodrigues Sampaio; os amigos de Saldanha. Sampaio assume a pasta do reino, durante oito dias apenas. Dias Ferreira na justiça, na fazenda e no reino, depois da saída de Sampaio. O marquês de Angeja (Peniche) nas obras públicas. Um sobrinho de Saldanha, D. António Costa na marinha. O presidente acumula a guerra e os estrangeiros. O governo nem sequer apresenta qualquer espécie de programa.

Junho

Dia 3 - Rodrigues Sampaio abandona o governo e é substituído por Dias Ferreira na pasta do reino.

Dia 4 - Novo adiamento das Cortes. Em 4 de junho de 1870 já são adiadas por 123 dias até 31 de outubro de 1870.

Dia 10 - Surgem no Diário do Governo os primeiros decretos ditatoriais. Extinção do subsídio aos deputados. Criação de comissões para a reforma da Câmara dos Pares e da lei eleitoral. Criação de um Supremo Tribunal Administrativo, a partir do Conselho de Estado, reduzido a meras funções políticas.

Dia 17 – Uma ditadura com ardor democrático. Decretos ditatoriais sobre a liberdade de ensino, a abolição da pena de morte no Ultramar e a reforma administrativa descentralizante.

Dia 19 - Comício de apoio ao governo

Dia 22 - Criado o ministério da instrução pública. Costa Cabral, nomeado embaixador no Vaticano. D. Luís da Câmara Leme substitui D. António da Costa Sousa Macedo na marinha; este passa para o novo ministério da instrução pública.

Julho

Dia 21

- Aprovado um novo código administrativo que não chega a entrar em vigor.

- Dissolução da Câmara dos Deputados (as Cortes não estavam então reunidas). Contra o voto do Conselho de Estado. Marcadas as eleições para 3 de novembro. O decreto leva a criação de uma frente contra o governo, participada pelos históricos, os regeneradores e os reformistas.

Dia 27 - Sá da Bandeira preside à inauguração de um centro do partido histórico e dirige uma representação ao monarca contra a ditadura de Saldanha. Em oposição à ditadura. Surgem também manifestações dos regeneradores e dos próprios reformistas. Os três grupos recusam aderir à s listas governamentais, embora não criem uma lista única.

Agosto

Dia 1

- D. Luís da Câmara Leme substitui o marquês de Angeja nas obras públicas. Este vai para embaixador em Bruxelas. Os penicheiros mostravam-se muito desordeiros e começaram logo a surgir boatos sobre um eventual golpe a desencadear por estes.

- O governo acaba por demitir-se

Dia 29 - Governo de Sá da Bandeira. De 29 de agosto a 29 de outubro de 1870. O governo assume carácter transitório, visando garantir a ordem pública e a preparação das eleições, obrigando os militares a permanecer nos quartéis, abstendo-se de intervenções políticas. Saldanha foi despachado para embaixador em Londres, onde viria, aliás, a falecer em 1876.

Setembro

Dia 4 - Eleições. Realizam-se cinco dias depois da queda de Saldanha. Ávila apresentou-se autonomamente à s eleições, desligando-se dos candidatos governamentais. Consegue eleger 16 deputados

Dia 12 - Bento da Silva acumula os estrangeiros e a fazenda, substituindo Ávila

Outubro

Dia 19 - União ibérica. Delegado do governo francês, quando este estava sitiado pelas tropas prussianas, chega a Madrid e exorta o general Prim a transformar-se no Washington da Espanha, assumindo a presidência de uma república assente na união ibérica.

Dia 29 - Governo de Ávila. Alves Martins não quis formar governo. Oposição parlamentar de Dias Ferreira. Há uma certa continuidade face ao anterior gabinete, mantendo-se todos os membros do governo, à excepção de Sá da Bandeira. Alves Martins e Saraiva de Carvalho são os dois reformistas que se demitem em janeiro de 1871, depois dos respectivos correligionários, sob a liderança de Latino Coelho, terem desencadeado um processo de oposição parlamentar, a propósito nomeação do patriarca de Lisboa. Com efeito, Saraiva de Carvalho levou ao rei, sem passar por Ávila, a nomeação do bispo do Algarve, D. Inácio do Nascimento Morais Cardoso, considerado liberal, capelão de D. Pedro V, em vez da do arcebispo de Goa, D. João Crisóstomo de Amorim Pessoa, apoiado por Ávila, acusado de congreganismo romano e ultramontanismo. Ramalho Ortigão questionava Porque motivo são reformistas de oposição hoje os que eram reformistas governamentais ontem?, acrescentando que os reformistas ignoram qual é a divisa que os separa pela mesma razão que nunca souberam qual era o mote que os reunia. Um partido sem conhecimentos, sem princípios, sem bases de trabalho, sem plano de administração, sem consciência de progresso e sem carta, nem guia, nem lógica de acção, não tendo razão para existir, também não tem razão para deixar de ser. Reformista é uma palavra farfalhuda, mas oca, nome convencional sem objecto em política. (Ramalho Ortigão, Correio de Hoje, Tomo II, p. 73)

Dia 12 de dezembro - Alves Martins apresenta uma proposta de reforma da lei eleitoral, visando instaurar a representação proporcional, com salvaguarda das minorias, através do sistema do quociente eleitoral. Dias Ferreira na CD havia dito que as eleições em Portugal não são feitas pelos eleitores mas pelas autoridades. A proposta de reforma não foi aprovada.

1871

Janeiro

Dia 2 - Adiamento das Cortes por 32 dias até 3 de fevereiro de 1871. Em 3 de fevereiro de 1871, por 36 dias, até 11 de maio de 1871.

Dia 30 - Ávila substitui Alves Martins no reino, de foma interina. José de Melo Gouveia substitui Saraiva de Carvalho na justiça, de forma interina (Ver Ramalho Ortigão, Correio de Hoje, Tomo II, p. 63, artigo Está sanada a crise!)

Fevereiro

Dia 4

- Os reformistas no Diário Popular observam: Pois governem esses ministros, mas lembrem-se de que o fazem por generosidade nossa. Acusam Carlos Bento da Silva de mentor da crise. Alves Martins volta para Viseu.

- Extingue-se o ministério da instrução e elimina-se a reforma administrativa descentralizante. Sofre-se o choque da Comuna de Paris e começa a falar-se nuns Estados Unidos da Europa.

Dia 10

- Partido histórico decide manter apoio ao governo

- Fala-se de um entendimento entre Ávila e Sá da Bandeira.

Dia 25 - Dias Ferreira anuncia a intenção de criar um novo partido. O grupo é acusado de ser o centro político Saldanha-Peniche, contando com a participação de Sena de Freitas e do conde de Magalhães (Idem., pp. 116 ss.) (fevereiro/ março)

Março

Dia 1 - José Marcelino de Sá Vargas substitui Melo Gouveia na justiça; Visconde de Chanceleiros, Sebastião José de Carvalho assume a pasta das obras públicas, substituindo Ávila.

Dia 6 - Nasce em Seia Afonso Augusto da Costa.

Dia 18 - No jornal A Revolução de Setembro é anunciado o programa do Cenáculo, com Adolfo Coelho, Antero de Quental, Augusto Fuschini, Eça de Queirós, Guilherme de Azevedo, Jaime Batalha Reis, Oliveira Martins, Manuel de Arriaga e Teófilo Braga.

Dia 22 - Começam as conferências do Casino, com um discurso de Antero de Quental (de 22 de março a 26 de junho de 1871). Realizam-se semanalmente.

Maio

- Ramalho Ortigão e Eça de Queirós começam a publicar As Farpas.

Dia 27 - No âmbito das Conferências Democráticas do Casino Lisbonense, Antero de Quental, no dia 27 de maio, profere a conferência sobre As Causas da Decadência dos Povos Peninsulares

Junho

Dia 3 – A Câmara dos Deputados, onde havia uma maioria reformista, foi dissolvida.

- Anuncia-se a formação do partido constituinte de Dias Ferreira, o inspirador civil da saldanhada (Junho de 1871).

Dia 26 – Proibidas as Conferências do Casino. Porque nelas se expunham e procuram sustentar doutrinas e proposições que atacam a religião e as instituições políticas do Estado ofendendo clara e directamente as leis do reino e o código fundamental da monarquia. Estava prevista uma palestra de Salomão Saraga sobre Os Historiadores Críticos de Jesus. Faltavam realizar uma de Batalha Reis sobre o socialismo e outra de Antero sobre a república. Protestos do grupo organizador em nome da consciência liberal do país contra um acto brutal de violência. Apoio de Alexandre Herculano aos protestos.

Julho

Dia 9 – Eleições
Dia 22 – Abertura das Cortes. Aires Gouveia, histórico, eleito presidente da Câmara dos Deputados. Votam contra apenas os reformistas e os constituintes. Governo entende-se com os regeneradores e entra em conflito com os históricos. Com a queda do ministério de Ávila, como observa Lopes d’Oliveira (op. cit., p. 21), caiu o ministério. Assim naufragou a vida nova do partido reformista. Este não se dissolve, mas não fará mais nada.

Setembro

Dia 8 – Eleições francesas

Dia 13 – Governo de Fontes Desde 13 de setembro de 1871 a 5 de março de 1877. O presidente acumulou sempre a pasta da guerra. Até 11 de outubro de 1872 acumulou a fazenda. Em 6 de setembro de 1875 passou a acumular a marinha. Governo monopartidário regenerador com o apoio parlamentar de avilistas e constituintes. Oposição de históricos e reformistas. Fontes assume a plenitude do fontismo, misturando algo do estilo de Costa Cabral, com a matreirice de Rodrigo da Fonseca. Deixa de ser considerado o fontículo, como até então o alcunhavam. Surgem sucessivas fornadas de pares. Antecipada a abolição total da escravatura em 2 de fevereiro de 1876, por iniciativa do par Sá da Bandeira.

Dia 27 de dezembro – Reunião do congresso dos escritores e oradores católicos no Porto, presidido pelo conde de Samodães e pelo visconde de Azevedo. Até 5 de janeiro de 1872.

1872

Janeiro

Dia 2

- Apresentação parlamentar do governo de Fontes. Acentuada a necessidade de uma reforma administrativa. Fontes proclama então que é ao mesmo tempo liberal e conservador, embora diga não querer a restauração.

- Revolta militar na Índia. Enviado o batalhão de caçadores 1 comandado pelo infante D. Augusto. O governador do território era então o visconde de S. Januário.

Dia 14 - Fundada a Associação Fraternidade Operária, sob a inspiração de José Fontana, empregado da Livraria Bertrand, no ano em que surgem em Portugal as primeiras greves operárias. No ano anterior, o mesmo Fontana tinha promovido a criação do Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas e escreveu o folheto O que é a Internacional?

Dia 20 - Governador civil do Porto aprova estatutos da associação católica.

Dia 11 de maio - Reforma da Administração Geral das Matas.

Julho

- Obtém-se empréstimo em Londres

Dia 22 - Golpe dito a pavorosa, promovido por Angeja. Os implicados serão absolvidos em 1873

Dia 1 de agosto - Começa a publicar-se o jornal A Palavra, editado pela Associação Católica do Porto.

Setembro

Grande empréstimo nacional de 38 000 contos. A maior operação financeira de quantas tinham até então sido realizadas por subscrição pública

Dia 11 de Outubro – António Serpa, lente da Politécnica, substitui Fontes na fazenda. Cria-se a Caixa Geral de Depósitos. Depressão de 1873 é vencida em 1874. Instituída a Sociedade de Geografia de Lisboa (1876).

Novembro

- Eça de Queirós é nomeado cônsul de Portugal em Havana

Dia 19 - Jaime Constantino de Freitas Moniz, professor do Curso Superior de Letras, então doente, é substituído por Andrade Corvo na marinha.