1811 – 1820



1811

1812

1813

1814

1815

1816

1817

1818

1819

1820

Janeiro

Dia 1 de janeiro – Nova revolução liberal em Espanha. Generais Quiroga e Riego obrigam Fernando VII a jurar a Constituição de 1812.

Março

Beresford resolve deslocar-se ao Rio de Janeiro. D. João pretende elevá-lo a marechal-general e a vice-regente do reino, entregando-lhe a autoridade suprema na metrópole.

Agosto

Dia 24 de agosto – Revolução no Porto, a partir do Campo de Santo Ovídio. Criada uma Junta Provisional do Governo Supremo do Reino.

Dia 29 de agosto – Parte para Leiria um exército comandado pelo conde de Barbacena. Coutinho Póvoas é nomeado para parlamentar com os homens da Junta do Porto.

Setembro

Dia 1 de setembro – Os governadores do reino convocam Cortes à maneira tradicional para 1 de novembro. As últimas cortes haviam sido convocadas em 1693. Manuel Borges Carneiro é nomeado secretário da comissão encarregada da convocatória. O modelo foi proposto pelo conde de Palmela que, então, se encontrava em Lisboa, tendo nascido de uma reunião com a regência, realizada na casa do cardeal-patriarca (AV, II, p. 25).

Dia 5 de setembro – Sai de Lisboa para o Rio de Janeiro o brigue Providência dando notícia ao rei dos movimentos do Porto (AV, II, p. 23).

Dia 14 de setembro – Tropas da junta saem do Porto. Para Trás-os-Montes e a Beira segue Gaspar Teixeira. Para Lisboa, marcha Sebastião Cabreira. Numa segunda fase, António da Silveira fica a comandar as tropas do norte e Bernardo Sepúlveda assume o comando das tropas que se dirigem para Lisboa.

Dia 15 de setembro – Revolta liberal em Lisboa, desencadeada por Aurélio José Morais. Comemorava-se mais um aniversário da vitória sobre os franceses em 1808. Entre os conspiradores, Gregório José Seixas, Francisco Xavier Monteiro e Bernardo Sá Nogueira.

Dia 27 de setembro – Fusão dos governos liberais do Porto e de Lisboa em Alcobaça. Conflitos entre o partido dos magistrados, liderado por Fernandes Tomás e apoiado por São Luís, e o partido dos militares que chamavam aos primeiros becas e rábulas. Os militares apenas queriam a demissão dos oficiais ingleses, o regresso do rei e a convocação de Cortes à maneira tradicional.

Outubro

Dia 4 de outubro – As juntas instalam-se em Lisboa. Palmela tem um encontro confidencial com Francisco de São Luís e chegam os dois a acordo quanto a um modelo moderado de institucionalização de um código constitucional. Conforme o próprio Palmela há-de reconhecer: a minha opinião… era que Portugal viesse a gozar de uma liberdade moderada, sob a forma de monarquia representativa, com um código constitucional outorgado pelo soberano, e não conquistado pela insurreição (AV, II, p. 26).

Dia 6 de outubro – A Junta Provisional Preparatória das Cortes emite portaria solicitando de academias, homens doutos ou prudentes, quaisquer alvitres, lembranças ou conselhos que a pudessem guiar ou ajudar no seu desejo de acertar, base fundamental do seu trabalho.

Dia 21 de outubro - Projeto constitucional da Academia das Ciências.

Novembro

Dia 11 de novembro – Martinhada.

Dia 22 de novembro – Emitidas as instruções para a eleição de deputados.

Dezembro

Dia 15 de dezembro – Manifesto.

- Eleições.